Neurofisiologia

Dr.ª Maria José Teixeira – Neurofisiologista CMP

“Nos últimos anos, as Neurociências sofreram desenvolvimentos espectaculares, que permitem hoje compreender muito melhor as doenças do Sistema Nervoso.

A Neurologia e a Neurocirurgia são atualmente capazes de tratar muitos mais doentes atingidos por estas doenças, melhorando a qualidade e prolongando  o tempo de vida. Para isto o muito maior conhecimento em várias Ciências que incluem a Biologia Molecular, a Imagiologia, a Genética, a Neuroquímica, a Neuroimagiologia e a Neurofisiologia foram fundamentais com um impacto decisivo na vida das pessoas.
O estudo da função do cérebro, tem constituído o grande desafio com a RMN funcional e a tractografia a constituírem avanços tecnológicos muito importantes.

A compreensão dos distúrbios da função do cérebro e dos nervos é também a área de intervenção da Neurofisiologia Clínica.

De facto muito se evoluiu desde algumas décadas atrás, que se conseguiram os primeiros registos da atividade elétrica cerebral com a Eletroencefalografia (EEG) pensando-se nessa altura que muitos segredos do cérebro estavam descobertos!

Não era verdade.

Nos anos seguintes este exame sofreu evoluções importantes e para além da sua utilização em áreas diversas que vão desde os cuidados intensivos à pediatria, é hoje possível tratar melhor a epilepsia e nomeadamente com a ajuda do vídeo- EEG melhorar a qualidade de vida de doentes com formas particularmente graves desta doença.

A Eletromiografia – EMG consegue avaliar a condução dos nervos periféricos e as características da contração dos mais diversos grupos musculares sendo fundamental em doenças tão variadas como o síndrome de túnel cárpico, as polineuropatias, as hérnias discais, lesões nervosas provocadas por traumatismos ou o atingimento dos nervos periféricos em situações diversas que vão da diabetes às consequências da rádio ou quimioterapia.

Os Potenciais Evocados (PE) visuais, auditivos ou somatosensitivos avaliam a integridade destas vias e podem ser importantes em perdas de visão, de audição ou lesões medulares.
A Monitorização  Neurofisiológica Intraoperatória cada vez mais utilizada em intervenções de Neurocirurgia e Ortopedia e que incluem desde a escoliose a múltiplos tumores quer cerebrais quer do interior da coluna vertebral permite reduzir complicações cirúrgicas melhorando o futuro de muitos destes doentes.

Os estudos de Sono dão um contributo importante na avaliação de múltiplas perturbações do sono que vão desde as crises nocturnas ao sonambulismo e roncopatia.

Como Neurofisiologista Clínica assisti nestes últimos 25 anos a toda esta evolução, sendo que o que faço hoje é muito mais e melhor do que no inicio da minha carreira. No entanto tenho a certeza que o nosso desconhecimento sobre o funcionamento do Sistema Nervoso é ainda grande e que os próximos anos nos vão trazer desenvolvimentos fantásticos.”